Início do conteúdo

Destaques

Foto equipe de Vigilância em Saúde do Paraná

Profissionais de Vigilância Ambiental em Saúde usam tecnologia de Drone para agregar aos registros enviados ao SISS-Geo, imagens aéreas de possíveis impactos ambientais associados aos animais observados em terra.

Levar a ciência para a rua e despertar o interesse da população são ações constantes de divulgação do SISS-Geo, concebido como um projeto de ciência cidadã.

Foto: Rita Braune

Na edição deste ano, a PIBSS-Fiocruz inovou convidando a Secretaria de Saúde do Rio de Janeiro para vacinação aberta ao público, de Febre Amarela e Gripe, no espaço SISS-Geo.

A parceria da PIBSS-Fiocruz com a Subsecretaria de Vigilância, Fiscalização Sanitária e Controle de Zoonoses da prefeitura do Rio já capacitou mais de 200 profissionais das áreas de saúde e ambiente.

Entre cerca de 2500 colaboradores, os 10 primeiros são do Rio de Janeiro, Bahia, Santa Catarina, Minas Gerais e São Paulo. Leia mais

Arte DCOM / ICMBio - MMA

O tráfico de animais silvestres é um dos comércios ilegais mais rentáveis e a terceira pratica clandestina mais lucrativa no mundo, atrás somente do tráfico de drogas e de armas (ONU).

Profissionais em epidemiologia do Brasil e do exterior se reuniram em Brasília para discutir e apresentar novas ferramentas e modelos práticos para o enfrentamento de casos e surtos de febre amarela.

A definição das bases tecnológicas para o desen­volvimento de soluções inovadoras vai muito além de preços e prazos.

Fonte da imagem: Confederação Nacional dos Municípios

A prática Plataforma Tecnológica para o Monitoramento Participativo de Emergência e Zoonoses compõe o grupo de ações da Estratégia Fiocruz para a Agenda 2030.

Site TuaSaude

A via de transmissão é sempre pela inalação dos esporos que estão no solo contaminado e o homem, ao revolver estes solos contaminados, provoca a dispersão dos esporos no ar assim permitindo que sejam inalados pelos humanos nas redondezas.

Foto Bugio: Maria Lúcia Cardoso

A transmissão entre mosquitos e primatas se dispersou pelo País e a doença se estabeleceu de forma endêmica na Amazônia. A emergência de doenças oriundas de animais silvestres está associada às alterações ambientais, incluindo mudanças climáticas.

Conheça as iniciativas que buscam soluções para gestão de unidades de conservação no Brasil

Foto da colaboradora Gabriela Heliodoro

O aumento do número de casos de Febre Amarela em 2017 despertou a atenção das autoridades em saúde do País. Combatida por Oswaldo Cruz no início do século 20 e erradicada dos grandes centros urbanos desde 1942, a doença voltou a assustar os brasileiros.

O Sistema de Informação em Saúde Silvestre (SISS-Geo) da Fiocruz foi uma das 173 iniciativas certificadas pela Fundação Banco do Brasil em 2017, entre 735 inscritas.

Bicho preguiça visto na Reserva Tapajós-Arapiuns (Pará) - Foto Ribamar Xavier

Mapa em tempo real mostra os registros de animais silvestres enviados por colaboradores de todo o Brasil.

Registros de ocorrências no SISS-Geo
Triatomíneos
Foto: Fiocruz Minas

Conheça o TriatoKey, Guia de identificação de Triatomíneos, desenvolvido pela Fiocruz - Minas Gerais e disponível na versão web e para celulares Android.

Vetores da Doença de Chagas

No Atlas Iconográfico dos Triatomídeos, leia sobre a doença de Chagas ou Tripanosomíase Americana, que tem como agente etiológico o Trypanosoma cruzi.

Cartões Ilustrados de barbeiros
Foto: Josué Damacena

O conteúdo reúne ilustrações, dados sobre a morfologia dos insetos, tamanho, habitat e ciclo de vida, além de mapas sobre a diversidade e distribuição geográfica das 66 espécies de barbeiros.

Boas Práticas
Foto Ministério da Saúde

Conheça o Guia de vigilância de epizootias em primatas não humanos e entomologia aplicada à vigilância da febre amarela da Secretaria de Vigilância em Saúde - MS.

Material Educativo

Conheça o Guia Prático Biodiversidade Faz Bem à Saúde construído a partir das experiências vividas pela nossa equipe em muitos trabalhos de campo na Amazônia e Sul da Bahia.

Rede de Laboratórios em Saúde Silvestre

Conheça a Rede de Laboratórios em Saúde Silvestre (ReLSS), que conta com 43 laboratórios realizando diversos diagnósticos de doenças em animais silvestres.

O CISS consolida no Boletim Informativo bimestral informações relevantes sobre o tema saúde silvestre e humana. Para receber o Boletim Informativo em sua caixa postal, cadastre-se aqui:

Para receber nosso boletim, cadastre seu e-mail no formulário ab

Image CAPTCHA
Digite os caracteres contidos na imagem.

Clique aqui para participar da RePSS - Rede Participativa em Saúde Silvestre no Facebook

Voltar ao topoVoltar